15 de outubro de 2015

Gopala

Oi passarinha!

Lembra desse mantra que cantava para você?

A primeira vez o que ouvimos foi em uma consulta com a Bernardete. Senti seu calor em meu útero, ainda que estivéssemos apenas no início da gestação. Foi lindo e mágico!



Apenas agora conheci seu real significado:
_______________________________________________


Propósito: Despertar a energia amorosa entre pais e filhos. Embora a tradução deste texto seja literalmente “Gopala, filho de Devaki,” ele celebra o laço universal entre pais e filhos.

Mitologia: Gopala Krishna era uma criança brincalhona que adorava comer a manteiga que sua mãe, Devaki, preparava. Gopala era Vishnu, o Senhor do Infinito, encarnado como um pequeno e amável menino, com uma aparentemente infinita atração por brincadeiras... e manteiga. Uma vez, quando Devaki tinha preparado muita manteiga, ela advertiu Gopala para não come-la. Mas, enquanto ela estava fora, Gopala comeu tudo. Quando Devaki voltou, ela encontrou uma criança engordurada e adormecida, com um fio de manteiga a escorrer pelas bochechas. Devaki inchou de raiva, e começou a abrir a boca do menino. Mas Gopala não estava dormindo. Quando sua mãe olhou em sua boca, Ele revelou sua forma divina. O que ela viu dentro de sua boca foram sistemas solares do espaço longínquo, e galáxias nascendo e morrendo acima da infinidade do tempo. Com a cabeça girando, Devaki caiu de costas quando Gopala abriu sua boca em um sorriso, novamente como apenas um menino.

Comentário: Quando nós vemos a santidade de nossas crianças, nós nos tornamos pais divinos e nossa negatividade e impaciência são substituídas por uma perspectiva cósmica.
_______________________________________________

Tenho certeza que nossa conexão foi especial. 

Sinto gratidão pelo amor que despertou em mim, no seu pai e no seu irmão. Muito amor, querida... Imenso amor...

A tristeza é por nossos braços vazios de você.


"O amor vai permanecer, mesmo que as palavras sejam esquecidas, 
que a presença não seja constante e que os caminhos sejam diferentes."

(Caio Fernando Abreu)

Nenhum comentário:

Postar um comentário